1 de dez de 2014

de[s]oriente 


I.

desfeita do corpo-exílio
não sei onde termino
quando sinto
o entrelaçar
dos nossos
dedos



II.

espelho: o brilho
escuro
das frestas estreitas
que me olham
sempre
que nos damos
as mãos