27 de jul de 2016

foi só depois de escrever que me dei conta da transformação surpreendente. estou bem. não respondi com o meu "estou" habitual, que quase todos os interlocutores interpretavam como sim, mas que diziam a neutralidade com tendência negativa do estado. percebi admirada que se já não estou é porque tenho sido. não que a vida, sempre algoz, tenha se tornado gentil, ou que eu tenha passado a gostar das pessoas a ponto de desejar multidões ou grupos incertos - muito pelo contrário, aliás. estou bem porque tenho estado pouco e bem acompanhada. estou bem porque a ventania me fez forte e não há pedra que minhas ausências feitas de perdas-buracos não suportem ou tempestade que eu não acolha com mansidão. estou bem. e só.